O que nos traz quem vem de fora - ELCN workcamp

Uma das grandes mais valias do trabalho em rede, é que em curtos intervalos de tempo se dão passos mais largos no caminho de cada uma das partes envolvidas. E na semana passada a Montis deu alguns bons passos. 
Em 2018 lançámos um desafio aos nossos parceiros do projeto LIFE ELCN (LIFE16 PRE/DE/005): venham a Portugal conhecer a Montis no terreno e experimentar o nosso modelo de gestão durante um campo de trabalho de 1 semana. Inserido na programação de iniciativas parceiras da EU Green Week, entre 8 e 14 de Abril realizou-se o campo de trabalho do ELCN, organizado pela Montis em Carvalhais, São Pedro do Sul, com participação de 13 pessoas de vários parceiros internacionais (ILCN, NABU, Eurosite, WWF Oasi, Fundatia Adept, Natuurpunt, XCN, Czech Union for Nature Conservation, Estonian Fund for Nature, Rewilding Portugal e Montis).


A semana começou com alguma chuva, e com o envolvimento dos voluntários do LIFE VOLUNTEER ESCAPES (LIFE17 ESC/PT/003) começámos com um passeio pelo baldio de Carvalhais, que serviu para explicar o modelo de gestão e para observar e registar biodiversidade (encontramos vários exemplares de tritão de ventre laranja - Lissotriton boscai, rã-ibérica - Rana iberica e rã-verde - Pelophylax perezi).
Na terça feira o grupo dedicou-se ao investimento na melhoria da qualidade do solo. Atravessamos as áreas de fogo controlado recentes, e a meio trabalhámos uma área bastante rochosa, onde se colocaram 6 paliçadas e 3 gabiões que irão reter sedimentos, e a médio/ longo prazo contribuirão para melhorar as condições de instalação da vegetação.



Enquanto realizávamos as estruturas de retenção de sedimentos, o Tilmann (NABU) percorreu a linha de água até à zona superior e, em conversa com o restante grupo, sugeriu um conjunto de pequenas intervenções cirúrgicas, que se fazem com uma enxada e algumas pedras, e que no final ajudaram a distribuir melhor a água pelo fundo do vale, permitindo que a mesma quantidade se disperse por uma maior área. Este trabalho aumentou a retenção de água dentro da área gerida (e consequentemente a sua disponibilidade para as plantas), aumentando também a eficiência de algumas das estrutura colocadas.


Na quarta feira o grupo dedicou-se ao trabalho com a vegetação, tendo-se plantado 53 árvores (Carvalhos – Quercus robur, Sobreiros – Quercus suber e castanheiros - Castanea sativa) oferecidas pelos Pequenos Gaios do Pinhal Novo. Durante a tarde estivemos na área do fogo controlado de Fevereiro de 2018 a conduzir alguns dos carvalhos que se encontram com uma boa resposta após o fogo, e posteriormente fizeram-se ainda estacarias de salgueiro que ajudarão a acelerar a recuperação da galeria ripícola. O dia terminou com observação de fauna e flora nocturnas, guiada pelo Paulo Pereira.


A parte prática do campo de trabalho terminou com um dia de voluntariado em Vieiro. A dar-nos as boas-vindas no início do dia estava uma salamandra-lusitanica (Chioglossa lusitanica), mesmo no meio do acacial.
A ida a Vieiro serviu para mostrar a diversidade dos modelos de gestão da Montis, tendo-se realizado trabalho de controlo de invasoras, que em Carvalhais não existe (hakea - Hakea sericea e mimosa Acacia dealbata). Houve ainda tempo para fazer algumas plantações e podar alguns carvalhos para acelerar o seu crescimento. As técnicas de controlo eram completamente desconhecidas para os parceiros, e o momento foi particularmente produtivo na troca de conhecimentos. Da mesma forma, a poda dos carvalhos foi uma novidade para os participantes.



Os últimos dias foram utilizados para reuniões focadas na discussão do futuro da rede ELCN - European Land Conservation Network - com o objectivo de criar de um grupo europeu de parceiros que façam gestão, ou contribuam para a gestão, de áreas privadas, ou geridas de forma privada, com objectivos de conservação da natureza.


Além de toda a troca de conhecimentos e oportunidades, o grupo do campo de trabalho do ELCN fez uma generosa contribuição para a campanha de crowdfunding Como coisa que nos é cedida, durante o churrasco que a Montis organizou com a gentil ajuda da União de Freguesias de Carvalhais e Candal.
Resta-nos agradecer a todos os participantes e ao Bioparque do Pisão pela disponibilidade e boa vontade com que apoiaram toda a iniciativa.

Jóni Vieira e Rita Almeida

Comentários